Inbound Marketing para sua empresa sair da crise

 em Conteúdo, Inbound Marketing, Marketing

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOSSOS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Inbound Marketing para sua empresa sair da crise

A crise chega para todas as empresas, esteja ela no começo, em ascensão ou na sua melhor fase. Sabemos que fracasso anda lado a lado com o sucesso e que ninguém está a salvo de receber essa visita, um tanto quanto desagradável.
Por isso, é necessário que as organizações estejam sempre preparadas e dispostas a entender as mudanças de hábitos enfrentadas pelo consumidor, a fim de se adaptarem com a nova realidade da melhor maneira possível e passar por cima dos obstáculos com cuidado e sempre pensando no futuro.
Entre as estratégias de marketing tradicionais executadas pelas empresas para sair da recessão, uma delas vem se destacando e mostrando cada vez mais resultados: o inbound marketing. Neste artigo, você vai entender mais sobre o comportamento do consumidor, como entender o problema e descobrir a melhor solução.

Os comportamentos do consumidor

Os consumidores podem ser identificados e classificados em quatro categorias perante uma crise:

  1.  O consumidor “pé no freio”, aquele que se sente prejudicado financeiramente, se preocupa com as consequência futuras e não hesita em reduzir gastos, seja eliminando, adiando, substituindo ou diminuindo uma boa parte do seu consumo. Ele é capaz de sobreviver apenas com o essencial;
  2.  “Abalado-mas-paciente” é aquele tipo de consumidor que é otimista, mesmo que os resultados bons venham a longo prazo. Ele demonstra facilidade em se adaptar às transformações e economiza em todas as áreas, mas de maneira mais amena. Este consumidor não faz mudanças radicais, por isso acaba escolhendo alguns supérfluos e os mantém pelo prazer pessoal;
  3. O terceiro perfil de consumidores é o “situação-tranquila”. Ele não se deixa abalar pelas crises financeiras atuais ou futuras e não muda o nível de consumo, apenas se torna um pouco mais seletivo e cauteloso. Por possuir uma situação financeira estável, não dispensa o conforto;
  4. Chamado de “vive-o-presente”, o quarto tipo de consumidor não apresenta nenhuma mudança pós-crise. Seu nível de consumo continua o mesmo, sem a preocupação de poupar dinheiro, porém ele entende os riscos e procura deixar de lado ou adiar as compras de valores altos.

Neste grupo estão principalmente aqueles jovens mais conhecidos como millenials, ou seja, aqueles que deixam de gastar com objetos para viverem experiências e aventuras.

conteudo-10-ideias

Estratégias de marketing para superar a crise

Mas como lidar com o marketing em tempos de crise ? As empresas, primeiramente, precisam investir em iniciativas que alavanquem a receita o mais rápido possível, além de garantir a estabilidade a longo prazo, bem longe do prejuízo.
Para isso, otimizar a carteira de produtos, torná-los acessíveis e fortalecer a confiança na empresa é essencial. Lembrando sempre que a resposta não é imediata.
Independente do tipo de consumidor citado na lista acima, a companhia precisa avaliar oportunidades fazendo uma triagem em seus produtos e definindo quais deles têm mais expectativas de sobrevivência nesse cenário.
Com a queda nas vendas, o marketing precisa focar na pesquisa de mercado para entender a fundo o consumidor e estabelecer uma meta a longo prazo, levando em conta o fato de que ninguém vai deixar de consumir, mas sim definir novas prioridades.
Em um estudo realizado pela revista Harvard Business Review, que mostra quais são as melhores táticas para superar uma crise com o inbound marketing, é possível conferir dados e tabelas sobre a melhor tática para cada tipo de consumidor citado neste artigo, quais são as mudanças de comportamento enfrentada por cada segmento, além de sugestões sobre como economizar com a publicidade.

Inbound marketing

Em busca de métodos para enfrentar a crise e as suas consequências, como a queda em investimentos online e em publicidade, profissionais encontraram a melhor solução através do inbound marketing, que normalmente é confundido com o marketing de conteúdo. Os conceitos são diferentes, mas um complementa o outro.
Enquanto o marketing de conteúdo funciona desenvolvendo assuntos relevantes e de interesse do público-alvo, o inbound marketing é aquele que coloca em prática estratégias que chamem a atenção deste público, garantindo bons resultados a médio e longo prazo. O foco principal é investir no aumento das vendas.

Público-alvo e persona

Antes de começar a colocar as táticas do inbound marketing em prática, a empresa precisa revisar o direcionamento da comunicação, deixando de lado o conceito de público-alvo e o substituindo por personas.
O ideal é buscar o máximo de informações possíveis para descobrir as necessidades reais do seu consumidor, suas prioridades, alinhando com as soluções a serem oferecidas.

Conteúdo

Com as personas definidas, a próxima etapa da estratégia de inbound marketing é evitar focar na solução, mas sim em reconhecer os problemas e falar sobre eles. Depois de intensa pesquisa e debate, as melhores soluções começam a aparecer e a serem consideradas, até finalmente se tornarem pauta de conversa com os clientes.
O bom conteúdo por si só já é um fator crucial no sucesso do inbound marketing, mas ele não funciona sozinho. Por isso, a empresa deve informar de maneira direta, conversando com a persona sobre seus problemas, sua rotina de compra e necessidades, criando uma relação de confiança e entendimento.

Resultados

Como já foi citado anteriormente, o inbound marketing funciona a médio e longo prazo. Aliando o trabalho de rotina de uma empresa de marketing digital com as estratégias do inbound marketing, a solução para a crise se torna a cada dia mais real. Uma vez em andamento, já será possível mensurar resultados futuros através do funil de conversão, prevendo a receita para os próximos meses e garantindo estabilidade.
A Future Marketing está preparada para ajudar a sua empresa a sair da crise. Temos conhecimento total das estratégias de inbound marketing e estamos dispostos a entender as necessidades dos seus consumidores, definir suas personas, e trabalhar com o objetivo de transformar os problemas da companhia em uma oportunidade de crescimento e sucesso. Entre em contato conosco!
Gostou do artigo? Então mantenha-se informado e não deixe de assinar a nossa newsletter para ser um dos primeiros a receber os nossos melhores conteúdos. Acompanhe também a nossa página no Facebook.

dicas2

BikeBerry

  • Aumento de 133% em vendas via e-mail marketing;
  • Aumento de 200% na atividade de usuários do site;
  • Duplicação do número de cliente retidos;
  • Aumento de 30% no consumo dos clientes fidelizados.

A loja americana de venda de bicicletas e acessórios BikeBerry viu no big data um divisor de águas para o seu negócio.
O objetivo da loja virtual sempre esteve centrado no engajamento dos clientes já existentes. O problema é que, após certo tempo, começaram a perceber que a retenção desses clientes começou a se tornar um tanto quanto custosa para a empresa.
A BikeBerry estava perdendo dinheiro ao investir demais em estratégias de descontos e cupons e não conseguiam fazer com que a clientela adquirisse seus produtos sem esses benefícios.
Era hora de buscar uma solução mais inteligente e rentável.
Eles optaram por automatizar o marketing com o uso de inteligência artifical, serviço prestado pela Retention Science.
Assim, conseguiram identificar com maior exatidão comportamentos em comum dos clientes no site para oferecer o produto adequado nas melhores condições para cada caso (sim, eles conseguiam saber quais clientes estavam mais aptos a comprar sem ou com desconto).
Entre os fatores que a tecnologia utilizada analisava estavam os padrões de navegação, histórico de compra, informações demográficas e dados comportamentais dos clientes.
A análise de uma grande base de dados, apesar de não ser recente, ainda não se tornou algo comum entre a maioria das lojas virtuais, visto a necessidade de implementação de softwares de alta tecnologia e de um volume de dados gerados gigantesco.
Porém, é algo que deve estar no radar das grandes companhias que ainda não utilizam o big data para alavancar as vendas e satisfazer consumidores.

Achou interessante a forma como algumas empresas fazem uso do big data ao redor do mundo? Precisa de ajuda para criar uma boa estratégia com base nos dados que já estão disponíveis? Conte com a Future Marketing. O Futuro está aqui!

INSCREVA-SE PARA RECEBER NOSSOS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.
Recommended Posts